Teve lugar, no passados dias 27 e 28 de Junho, na barragem do Carril – Tomar, as primeiras duas provas de pesca ao achigã de margem, do circuito de margem da BASS Nation Portugal, tendo marcado presença nestas duas provas 26 dos 27 pescadores inscritos, tendo-se apresentado em prova três elementos da equipa do BASSPT.com – Alberto Nunes, Tiago Ramalho e Pedro Silva. Este ano, tivemos ainda a companhia de Sean Perez, um americano da empresa Clickbaits, radicada na Alemanha e representante de várias marcas de material de pesca, importadas para Portugal pela onefishplus.com, que veio passar uns dias a minha casa de forma a poder também ele participar no circuito.

Com um regulamento inovador no nosso país, este ano existiam algumas melhorias. A medida mínima do peixe passou de 27cm para 26cm, entre outras pequenas alterações mas, acima de tudo, introduziu-se o sistema de pontos para efeitos de classificação, ao contrário do peso total, utilizado no ano passado.

Tal como já estamos habituados, a massa de água era uma novidade para nós, e não sabíamos muito bem o que esperar. Como já é apanágio da nossa equipa, isso não é preocupação, vamos pela diversão, companheirismo e convívio com todos os amantes deste desporto.

Este ano todos os participantes tiveram direito a lembranças

Este ano todos os participantes tiveram direito a lembranças

As provas

Como é habitual, a prova do Sábado começou pelas 13h. Com um calor abrasador, e como sempre, após o toque para o inicio da prova ainda estávamos calmamente a preparar o nosso material no carro. Aproveitámos para comer qualquer coisa e lá fomos nós. Esta nossa forma de estar nunca nos prejudicou, mas desta vez, com o calor que se fazia sentir, comecei a desejar ter partido quando todos os outros… é que estava a “competir” por uma sombra! Fui andando com o Sean Perez, em busca da tal sombra… Ele parou assim que encontrou um local para se colocar à pesca, mas eu continuei, barragem a cima, em busca da “minha” sombra. Pelo caminho “marquei” um ou dois locais onde me poderia abrigar à sombra, mas estavam um pouco distantes da água, e a sombra era pequena. Chegado quase ao limite da zona de pesca, verifiquei o que já temia – todas as sombras boas estavam já ocupadas. Voltei para trás, e “acampei” numa dessas pequenas sombras que tinha visto anteriormente.

Briefing antes do inicio da 1ª prova

Briefing antes do inicio da 1ª prova

Apesar de não ter ambição em ganhar a prova, no início da semana ligou-me um amigo, que já ali tinha participado e ganho umas provas em anos anteriores, e que me disse que se tinha dado bem a pescar com senkos na cor Junegug num empate wacky. Apesar do calor, como tinha esta informação, quis experimentar. Empatei um Exostick Pro na cor Junebug num anzol de wacky e efectuei o primeiro lançamento com a minha nova Carrot Stix de spinning, que tinha acabado de chegar no dia anterior, como cana para testes. Capturei 2 pequenos achigãs nos primeiros 4 ou 5 lançamentos. Era o que todos estavam a apanhar. Já tinha passado quase uma hora desde o inicio da prova e ainda ninguém tinha feito nenhuma captura com o tamanho mínimo para pontuar. Com o calor a apertar, resolvi fazer uma pausa e sentar-me na minha sombra.

Pouco tempo depois tive o prazer de conhecer o José Miguel, que se sentou na sombra do lado. Foi uma grande companhia. Com ele e com o Nuno Melo, que algum tempo depois também se juntou a nós, lá fomos trocando ideias e contando histórias de pesca. O Sean Perez e o Tiago Ramalho também não tardaram a aparecer. Apenas o Pedro Silva se manteve activo o tempo todo! Parabéns companheiro!

Por volta das 17h o sol já estava um pouco mais fraco, e a sombra já tinha avançado mais sobre a margem. Estava na hora de voltar à pesca!

Comecei por voltar a tentar o Exostick Pro à wacky, mas desta vez não tive sucesso. Como a água era mesmo muito transparente, resolvi colocar um  crankbait, mas sem ratles. Nem sequer o pequenos vinham a trás da amostra… Resolvi então uma abordagem ainda mais de finesse, e coloquei um pequeno cabeçote de 4 gramas na Carrot Stix, com uma Plasma Tail da BioSpawn na cor Ox Blood. Lembro-me de ter pensado “mais subtil que isto não deve haver”. Arrastando lentamente pelo fundo não deu nada, nem com pequeno saltos. Resolvi utilizar então uma recuperação  contínua, com toques frequentes de ponteira. Voltei a não fazer nenhuma captura, mas notei que alguns peixes pequenos eram atraídos pela vibração que o fio fazia na água, devido aos toques de ponteira que estava a fazer de forma contínua. “É isso”, pensei eu, eles preferem amostras com vibração. Coloquei aquela cana imediatamente de lado e coloquei um spinnerbait branco numa das canas de casting. Dois ou três lançamentos e fazia uma captura. Infelizmente, continuavam a ser pequenos, mas consegui definir um padrão, e isso para mim já foi um bom sentimento.

O meu primeiro achigã com o spinnerbait

O meu primeiro achigã com o spinnerbait

Entretanto já era tarde, e estava na hora de arrumar tudo e rumar ao ponto de encontro final para entrega das fichas de capturas que, infelizmente, no meu caso, e no caso de mais 19 pescadores, estava em branco.

Seguia-se a etapa em que a nossa equipa realmente brilha – o jantar! Como sempre, o convívio e companheirismo entre todos os pescadores esteve presente, tendo sido ainda discutida a situação actual da BASS Nation de Portugal, tendo-se chegado a algumas ideias com vista à elaboração das restantes 4 provas que faltam, e tendo-se saído com a certeza de que, as próximas duas provas, que estavam marcadas para o último fim de semana de Julho em Vilarelhos, serão adiadas para Setembro noutra massa de água e em data ainda a decidir.

Jantar convivio de Sábado - boa disposição e camaradagem

Jantar convivio de Sábado – boa disposição e camaradagem

A noite concluiu-se com a entrega de lembranças a TODOS os concorrentes e dos troféus aos primeiros classificados.

1º classificado a 1ª prova - Manuela Raposo

1º classificado a 1ª prova – Manuela Raposo

2º Classificado da 1ª prova - Joaquim Cabo

2º Classificado da 1ª prova – Joaquim Cabo

3º classificado da 1ª prova - Claudio Vitorino

3º classificado da 1ª prova – Claudio Vitorino

Maior exemplar da 1ª prova - Manuela Raposo

Maior exemplar da 1ª prova – Manuela Raposo

Classificação 1ª prova

A segunda prova teve inicio pelas 8h do Domingo. Com alguma informação reunida do dia anterior sobre a barragem e os peixes, partimos para esta prova mais esperançados e o Sean Perez disse inclusivamente antes de partirmos que desta vez teríamos que dar o nosso melhor. Concordei com ele, e desta vez não houve descanso para ninguém! 🙂

Coloquei-me num bico que dava entrada para uma pequena baía. Do outro lado já estava o Paulo Duarte, que estava a pescar o zona mais baixa dessa baía. Queria experimentar também a minha sorte se pequeno recanto, mas não queria interferir com a pesca dele, que já ali estava, por isso, peguei na cana com o spinnerbait do dia anterior, e comecei a pescar o bico e a entrada nessa baía. As capturas de peixe pequeno não tardaram. Por volta das 10h a actividade do peixe parou, e foi então que resolvi voltar para uma abordagem mais subtil com uma Plasma Tail da BioSpawn na cor Junebug. Era escusado, os peixes pequenos não me davam descanso! Durante uma hora experimentei várias amostras, mas nada.

Faltavam 2 horas para o final da prova, e já todos os outros pescadores que estavam comigo na baía tinham saído. Peguei novamente no spinner e coloquei-me na ponta da baía, na zona mais baixa. Era uma zona com muitas ervas. Comecei a lançar ao longa das ervas de uma das margens, em direcção à zona mais baixa. Ao segundo lançamento, cravo um peixe que teria certamente 27cm ou 28cm… Teria… porque nunca o consegui capturar! Descravou-se do spinner a uns 2 metros de mim. Fiquei desanimado e zangado comigo mesmo. Talvez não devesse ter feito isto, ou aquilo, pensei para comigo… Continuei a lançar enquanto tentava digerir aquele peixe que perdi, na tentativa de visualizar mentalmente o que teria feito mal, na tentativa de o corrigir caso tivesse mais ataques. Infelizmente esse foi o último peixe que capturei nessa prova…

No entanto, ao longe, um dos fiscais da prova grita na nossa direcção “O americano apanhou um peixe!”. Era o que eu estava a precisar. Naquele momento, era como se a captura dele fosse minha! Adoro quando as pessoas que trago comigo têm sucesso. Fiz mais uns lançamentos, mas já com pouca concentração. Tinha que saber mais pormenores!

Pousei as canas, tirei duas maçãs da mochila e convidei o Tiago para irmos ao encontro do Sean para saber todos os pormenores. Lá estava ele, numa baía como aquela em que eu tinha estado, a pescar no mesmo sentido em que eu tinha perdido o meu peixe. Tinha capturado um achigã com 560g com um lipeless crankbait e já tinha perdido 2 antes desse! “Há há, o meu padrão da vibração de ontem estava correcto!” pensei eu. Estávamos na última hora de prova, e o Sean esta em 1º. Voltei para o meu local. Pouco tempo depois o Carlos Marques capturou  um achigã com 710g. Resultado, 3 peixes em 26 pescadores… que grande tareia!

1º classificado da 2ª prova - Sérgio Marques

1º classificado da 2ª prova – Sérgio Marques

2º classificado da 2ª prova - Sean Perez

2º classificado da 2ª prova – Sean Perez

3º classificado da 2ª prova - Nuno Pirralha

3º classificado da 2ª prova – Nuno Pirralha

Maior exemplar da 2ª prova - Sérgio Marques

Maior exemplar da 2ª prova – Sérgio Marques

Os 3 primeiros classificados da 2ª prova

Os 3 primeiros classificados da 2ª prova

Classificação 2ª prova

Balanço final

Apesar do peixe não ter ajudado, mais uma vez tivemos o privilégio de participar em duas provas de  pesca ao achigã de margem com um regulamento verdadeiramente direccionado para esta modalidade.

Foto de grupo da 2ª prova

Foto de grupo da 2ª prova

A organização não podia ter sido melhor, e tudo correu conforme previsto (excepção para o nº de capturas).

O Sean Perez adorou a experiência e a forma como todos os concorrentes convivem. Ganhamos um bom membro e patrocinador.

Provou-se assim que a BASS Nation de Portugal tem capacidade para organizar provas de grande nível e que nos enchem de orgulho enquanto portugueses e pescadores.

Até Setembro!

Classificação geral após 2 provas

Podem ver todas as fotos das 2 provas no Facebook a BASS Nation de Portugal

Alberto Nunes

Alberto Nunes é um profissional de Informática viciado em pesca ao achigã. Criou o basspt.com para partilhar as suas ideias e experiências de pesca ao achigã, e para colmatar a falta de informação em Portugal sobre esta temática.

More Posts - Website - Pinterest - Google Plus