Lagostins Vilecraw da Biospawn - disponíveis através da www.onefishplus.com

Falta de tempo aliada a más condições climatéricas que se fizeram sentir por aqui nos últimos tempos têm impedido incursões dignas de destaque.

Assim, aqui ficam algumas fotos, que deixam perceber de forma rápida como tem corrido a pesca ao achigã por aqui, desde o inicio do ano.

O meu primeiro achigã de 2010, capturado apenas em Março (até Março fiz várias tentativas, todas sem sucesso).

O primeiro achigã do ano foi capturado com a minha cana e carreto de casting Abu Garcia e um dinger 4″ de vinil da Yum, com empate Texas.

1º achigã do ano de 2010

1º achigã do ano de 2010

Em Abril, comprei uma nova cana de spinning – a Shimano Catana. Ainda nesse mês, não resisti a testar o seu desempenho, visto tratar-se de uma cana mais vocacionada para a Truta.

Equipada com o meu carreto Quantum e novamente um dinger 4″ de vinil da Yum, com empate Texas, mostrou-se extremamente funcional, e o resultado foi o exemplar da foto que se segue:

1º achigã com a Shimano Catana

1º achigã com a Shimano Catana

Apesar de já não me lembrar de quando foi nem qual foi o balanço, aqui fica um bela foto de um momento que passei:

Pôr do Sol num dos meus açudes preferidos

Pôr do Sol num dos meus açudes preferidos

No dia 13 de Maio, aproveitando a folga fruto da visita do Papa, eu, o Nuno e o nosso amigo Silvino (amante de 4×4 e a ser injectado com o vício da pesca por nós 😛 ) lá fizemos uma deslocação ao Entroncamento, à nossa loja de pesca preferida. O resultado: uma quantidade indeterminada de euros (não se pode dizer quanto pois não sei se a minha mulher não vem aqui ler isto… 🙂 ) gastos em amostras de todos os tipos, uma nova cana de casting da Quantum para mim (yupi!!! já tenho uma cana de casting como deve ser – só falta o carreto) e, surpresa inesperada – uma nova cana de spinning da Vega para o Silvino!!!

É claro que, depois do almoço, não conseguimos resistir e fomos logo testar as novas aquisições. 4 açudes em pouco menos de duas horas, e bons resultados:

Nuno com o 1º exemplar da tarde, no pequeno açude particular

Nuno com o 1º exemplar da tarde, no pequeno açude particular

Nuno com o 2º exemplar da tarde, no pequeno açude do avô da mulher do Silvino

Nuno com o 2º exemplar da tarde, no pequeno açude do avô da mulher do Silvino

O meu primeiro achigã da tarde

O meu primeiro achigã da tarde

O Silvino comigo no último açude particular - os melhores excemplares

O Silvino comigo no último açude particular – os melhores excemplares

Foi sem dúvida um exemplar digno, o que o Silvino capturou com a sua nova cana da Vega. A pedido, os peixes foram devolvidos a um pequeno açude 20 metros ao lado.

Já no passado dia 6 de Junho, rumei ao açude onde tínhamos libertado os dois exemplares da foto anterior, e o resultado foi o que se segue:

Recaptura do exemplar de 13 de Maio

Recaptura do exemplar de 13 de Maio

Pelo meio, no dia 17 de Maio, fizemos a nossa primeira pescaria embarcada, desta vez no Maranhão. Os resultados não podiam ter sido piores: eu, o Nuno e o Charrua capturámos ZERO achigãs! O Pereira e o Silva, noutra embarcação capturaram 1 cada. Aqui ficam algumas fotos desse dia que, apesar de péssimo em termos de números, foi mais uma vez produtivo em convívio:

Colocar os barcos na água

Colocar os barcos na água

Barcos a postos - Silva efectua os últimos preparativos

Barcos a postos – Silva efectua os últimos preparativos

Não havendo peixe, pelo menos o Charrua começou a dominar o casting... É perito a desenrolar fio!!!

Não havendo peixe, pelo menos o Charrua começou a dominar o casting… É perito a desenrolar fio!!!

Paragem no Clube Náutico para um café

Paragem no Clube Náutico para um café

Para mim, o momento alto do dia - Almoço!!

Para mim, o momento alto do dia – Almoço!!

E pronto, estes foram alguns dos momentos de pesca ao achigã documentados com fotos desde o início do ano de 2010.

Ontem, eu, o Nuno e o Charrua “fomos convidados” (ou será que fomos nós que insistimos??? 🙂 ) por um amigo nosso que possui um pequeno açude “supostamente” privado. O saldo foi bastante positivo, apesar de apenas o Nuno e o Charrua só terem apanhado um achigã com medida cada um. No total, eu apanhei 15, o Charrua 10 e o Nuno 8 (é de salientar que só conta o peixe que se segura com a mão durante tempo suficiente para provar a captura! peixe que se deixa cair ou salta do anzol a chegar à margem NÃO conta!). Daí fomos para outro pequeno açude, esse já não particular, onde se obtiveram 5 bons exemplares.

Alberto Nunes

Alberto Nunes é um profissional de Informática viciado em pesca ao achigã. Criou o basspt.com para partilhar as suas ideias e experiências de pesca ao achigã, e para colmatar a falta de informação em Portugal sobre esta temática.

More Posts - Website - Pinterest - Google Plus