Ainda não leu a primeira parte deste artigo? Faça-o aqui.

O que dizem os fabricantes

É vulgar ver grandes confusões nas especificações dos fabricantes, por um lado, e rótulos que não ajudam nada, por outro. A verdade é que também há muitas formas de classificar as canas. Uma cana que tenha como «acção» as letras «MH» quer dizer «médium heavy», ou seja, média pesada. Mas isto não é acção, é capacidade, ou seja, a cana aguenta amostras entre 7 g e 28 g, embora noutra marca se possa ver que uma «MH» pode aguentar apenas 21g. Este tipo de nomenclaturas e intervalos é que baralha as pessoas que têm de escolher, mas não há nada a fazer. A acção é outra coisa, até há quem lhe chame «power», ou seja, poder e consiste na rigidez da parte que dobra, ou seja, na quantidade de tempo que uma ponteira depois de dobrada demora para voltar à posição inicial.

Uma equipa a pescar num barco pode ter mais de 20 canas prontas para usar

Uma equipa a pescar num barco pode ter mais de 20 canas prontas para usar

Mas há fabricantes que vão mais longe e dizem aos pescadores para que servem as canas. Há marcas que tem canas para tudo: spinners, cranks, carolina, senko (esta do senko é para rir, porque se pode fazer tanta coisa com um senko que seria impossível conseguir uma cana que desse para tudo, mas, como o fabricante até coloca o desenho, as coisas tornam-se mais fáceis…), etc. De facto a ideia é ajudar, mas muitas vezes só baralha, até porque, uma cana específica pode servir outras técnicas, o que acontece em muitos casos.

Como a indústria nunca se entendeu a respeito destas classificações e nomenclaturas, o que provoca nos pescadores menos experientes, e nalguns que nunca aprofundaram os conhecimentos nesta área, um exagero em certos casos, comprando uma cana para cada técnica, ou o exagero oposto de ficarem a comprar e a trocar de canas por muito tempo até encontrarem o que realmente precisam e lhes agrada.

Como escolher

Não vamos, à partida, desconfiar do que os fabricantes colocam nas canas, mas, mais do que olhar para as classificações L, ML, M, MH, H ou mesmo XH, vamos ler o intervalo de pesos e verificar se as amostras que vamos usar estão nesses intervalos. Depois vamos colocar uma linha a passar por todos os passadores e puxar a linha a ver o que há de espinha dorsal e de parte que dobra. Porque quanto mais pequena for a parte que dobra, mais rápida é a acção da cana. Uma cana que dobre totalmente, a chamada acção total, é uma cana ultra-lenta, e assim sucessivamente até chegar a uma que quase não dobre que será extra-rápida.

Pescar de barco facilita não apenas as deslocações, como o armazenamento de mais material

Pescar de barco facilita não apenas as deslocações, como o armazenamento de mais material

As minhas escolhas para barco

Quando vamos pescar de barco podemos levar o material que quisermos e a quantidade de canas que nos fazem realmente falta para executarmos com mais aptidão a grande variedade de técnicas que constitui um dos maiores atractivos desta forma de pescar.

Drop-shot (leve), darter-head, wacky, micro jigs – 1 cana

Uma cana com capacidade entre os 1,5 g e os 10 g (ML) com a ponteira rápida e um comprimento de 1,96 m ou 2,10 m. Para estas aplicações prefiro o material de spinning, até porque vamos trabalhar mais com linhas finas.

Crankbaits de pala, jerkbaits, superfície (excepto buzzbaits)  – 1 a 4 canas

Uma cana de capacidade média (M) com acção regular ou lenta, de 2,10 m de comprimento, para amostras com pesos entre os 3,5 g e os 14 g cobre perfeitamente a maioria das amostras que temos de usar. Como no barco temos uma capacidade de armazenamento grande, podemos ter mais uma com capacidade entre os 2 g e os 10 g (ML), de 1,96 ou 2,10m, e outra com capacidade entre os 7 g e os 28 g (MH), de 2,10 m a 2,25 m de comprimento. Se gostarmos de swimbaits rijos teremos de ter uma cana com mais capacidade entre os 21 g e os 112 g (XH), de 2,10 m a 2,40 m de comprimento. Todas estas canas devem ter ponteiras lentas ou regulares, ou seja, que ajudem à penetração das fateixas com a amostra parada ou em andamento. Nestes casos prefiro as canas de casting, porque permitem o uso de linhas mais grossas e porque os carretos são mais possantes aguentando melhor a tracção, todavia, a cana de menor capacidade pode ser de spinning, o que poderá ajudar no lançamento com amostras mais leves.

Escolher a cana adequada para cada situação é mais fácil na pesca embarcada

Escolher a cana adequada para cada situação é mais fácil na pesca embarcada

Jigs até 14 g, Texas leve e médio, Texas sem peso (senkos, flukes, etc.), drop-shot pesado, spinnerbaits, buzzbaits, cranks sem pala – 3 canas

Uma cana com capacidade entre os 3,5 g e os 21 g (MH), de ponteira rápida, de 1,96 m de comprimento e outra, com mais um pouco de capacidade, entre os 7 g e os 28 g (MH), de ponteira rápida e com 2,10 m. Da capacidade mais baixa gosto de ter uma cana de casting e uma de spinning e a razão é o uso da técnica Texas sem peso com amostras mais leves.

Jigs, Texas pesado, rãs, swimbaits moles, flipping e outras técnicas para coberturas cerradas – 2 canas

Uma cana de 2,10 m, com capacidade entre os 14 g e os 42 g (H) de acção rápida e outra de 2,25m, com capacidade até aos 56 g com acção extra rápida.

Continuar para a terceira parte do artigo »

Ainda não leu a primeira parte deste artigo? Faça-o aqui.

Herminio Rodrigues

Hermínio Rodrigues é um pescador que se tem dedicado muito à formação de pescadores de várias formas: através dos dois livros que publicou e de muitos artigos que publicou e que publica ainda sempre que pode. Faz ainda palestras, demonstrações e ações de formação para pescadores e visita escolas que o convidam para introduzir os mais novos na pesca desportiva, especialmente de achigã.

More Posts - Facebook