Lagostins Vilecraw da Biospawn - disponíveis através da www.onefishplus.com

Desde que reiniciei a minha actividade este ano (2009), que me tenho limitado a pescar com amostras de vinil (borracha). É uma pesca que pessoalmente acho extremamente viciante, dadas as inúmeras formas que podemos utilizar para apresentar as amostras.Uma das principais chaves para o sucesso com este tipo de amostras passa pela correcta colocação do anzol, que se designa por empate, e que passo a detalhar, com base num documento PDF que encontrei na net – o catálogo para 2009 dos produtos Gary Yamamoto Custom Baits.

Empate de amostras de vinil

O empate que passo a detalhar é conhecido como TEXASempate_texas_1Com a excepção do empate Wacky, em todos os outros, incluindo no Texas, começa-se por cravar o anzol pela ponta da amostra, fazendo de seguida com que o “olho” do anzol fique ligeira ou totalmente encoberto dentro da própria amostra.A imagem da esquerda mostra um exemplo do inicio da colocação de um anzol.

Uma vez efectuado o passo indicado, com o bico do anzol, é possível efectuar uma de três colocações possíveis, que passo a explicar, dependendo da densidade de vegetação ou outros obstáculos existente no local.

Empate Texas

Para a vegetação mais densa, a única opção poderá passar por cravar o anzol na amostra, não cravando no entanto a totalidade, evitando que o bico do anzol fique exposto. Esta técnica resultará melhor para as amostras mais finas, nas quais não será necessário fazer o anzol trespassar um grossa camada de borracha na altura de cravar o anzol no peixe.
Nesta técnica, o equipamento adequado desenrola um papel muito importante. É importante utilizar uma cana, carreto e fio fortes, de forma a permitir trespassar a borracha na totalidade na altura de cravar o peixe.

Empate Tex-Exposed (Texas Exposto)

Para águas abertas ou com pouca vegetação, cravar o anzol na amostra, fazendo sair a ponta do mesmo na extremidade oposta.
A ponta do anzol deverá ficar paralela à amostra, encostando perfeitamente no corpo da mesma.
Esta técnica tende a funcionar com melhores resultados em amostras com um corpo mais espesso e maior, como grandes grubs, que tendem a ficar melhor fixados ao anzol, evitando assim que este se desloque na amostra, e fique com a ponta demasiado exposta, oferecendo alguma protecção para possíveis obstáculos.

Empate Tex-Skin (Texas à pele)

Para águas com vegetação moderada.
Seguir as indicações de colocação do anzol do Tex-Exposed.
Depois esticar ligeiramente a amostra no sentido oposto ao do bico do anzol, cravando-o ligeiramente na amostra, como que se tratasse apenas de o colocar na pele da amostra.
Desta forma, poderá evitar-se a maior parte da vegetação, não se perdendo no entanto tanta eficácia no momento de cravar o peixe, como acontece com o empate Texas tradicional.

 

Senko com anzol empatado à Texas

Senko com anzol empatado à Texas

Aqui fica um vídeo onde Hermínio Rodrigues mostra como empatar uma amostra à Texas sem peso:

empate-texas-sem-peso

Pode encontrar informações mais detalhadas sobre o empate Texas neste artigo de 2015.

Alberto Nunes

Alberto Nunes é um profissional de Informática viciado em pesca ao achigã. Criou o basspt.com para partilhar as suas ideias e experiências de pesca ao achigã, e para colmatar a falta de informação em Portugal sobre esta temática.

More Posts - Website - Pinterest - Google Plus