Escolher o tipo de cana correcto para pescar ao achigã pode ser uma tarefa complicada e até mesmo assustadora, dado o número de técnicas existentes para este tipo de pesca. Isto é um facto com que me deparei enquanto fazia uma busca pela internet com o intuito de comprar uma nova cana de casting para a época que se avizinha.
Este facto, e o conhecimento das várias características das canas de pesca ao achigã levaram-me a escrever este artigo, onde espero conseguir compilar toda a informação que encontrei, tornando assim mais fácil a escolha de uma nova cana tanto para mim como para quem esteja numa posição como a minha.

Guia de canas de pesca para achigãQuer queiramos, quer não, o tipo de cana que se utiliza na pesca ao achigã tem muita importância. As canas têm características específicas que nos permitem lançar as amostras mais longe, trabalhar as amostras correctamente e, o mais importante, garantir que conseguimos retirar o peixe da água. No entanto, com um mercado com tanta oferta, como é que vamos saber que cana é aquela que é a correcta para nós?
A escolha entre spinning, casting, graphite ou compósito pode tornar-se confusa, já para não falar a enorme variedade de tamanhos e acções disponíveis para cada modelo…

Canas de Casting

As canas de casting são o tipo de cana mais utilizada no mundo da pesca ao achigã. Capazes de trabalhar linhas mais grossas e amostras maiores e mais pesadas, este tipo de canas é ideal para zonas com coberturas e para pesca tipo “power fishing“.
Para dizer a verdade, actualmente 90% do meu tempo de pesca é efectuado com equipamento de casting. Embora ainda não domine algumas técnicas, a cana de casting veio possibilitar a correcta utilização e emprego de técnicas e amostras – spinnerbaits, flutuantes, flipping…
É verdade que as canas de casting têm o seu tempo e situação correcta para serem utilizadas, mas regra geral, a grande maioria das situações da pesca ao achigã requer a utilização de linhas mais fortes para conseguirmos mais facilmente retirar o peixe da água. Se nos descorarmos destas noções chave nas contas necessárias para o sucesso na pesca ao achigã, o mais certo é os nossos resultados diminuirem de forma drástica.

Apesar de muita gente ter alguma relutância na utilização de carrectos de casting, ou de novos pescadores verem os carretos de casting como uma dificuldade acrescida, muito devido ao facto da reputação que este tipo de equipamento tem no que toca à dificuldade de utilização e aos transtornos que causa quando o fio se renrola e forma verdadeiros novelos, uma vez que se aprenda a trabalhar com os carretos de casting, são ferramentas verdadeiramente fáceis e confortáveis de utilizar. Se planeiam pescar com spinnerbaits, buzzbaits, cranks, jerkbaits, amostras de superfície grandes, ou utilizar técnicas como o flipping e o pitching, é fundamental aprender a utilizar canas de casting.

Canas de spinning

Apesar de a maior parte das situações utilizar equipamento de casting, em algumas situações especificas é necessário recorrer a canas de spinning – trabalhar tubes debaixo de estruturas, trabalhar shaky heads, pequenos cranks e amostras de superfície, bem como algumas técnicas de finesse.
Uma cana deste tipo permitirá utilizar linhas mais finas, estando melhor adaptada para amostras mais pequenas (normalmente 3/8 oz. ou menos). O seu comprimento e estrutura permite-nos retirar da água praticamente todos os peixis, incluindo os maiores, mas oferecem melhores resultados em águas abertas, longe de coberturas mais densas.
De uma forma simplista, pode dizer-se que as canas de spinning são utilizadas para situações de não “power fishing”. Se nos lembrarmos desta regra básica, teremos certamente menos problemas aquando da escolha do momento para utilizar este tipo de canas.

Materiais das canas

Actualmente, a grande maioria das canas para pesca ao achigã são construídas com graphite. Estas canas são extremamente leves, o que é uma vantagem para jornadas de pesca mais longas. Com esta leveza, vem também a sensibilidade, o que permite sentir mais facilmente os ataques, o fundo, as ervas, etc. Este é um factor realmente importante em dias de tempo mais adverso, por exemplo, onde “sentir” o peixe se torna de uma importância extrema.
A não ser que seja um adepto fervoroso de crankbaits, deverá optar por canas de graphite para todos os tipos de técnicas.

As canas de compósito são construídas em graphite e fibra de vidro. Muitas vezes referidas como canas para cranking, têm a leveza característica da graphite, aliada à durabilidade e “sensação de ponteira macia” característica da fibra de vidro. A maior parte dos pescadores optam por este tipo de canas para a utilização com crankbaits, pois estas oferecem a suavidade necessária para manter os anzóis cravados quando o peixe ataca sem grande forçam e não se consegue cravar eficazmente no ataque.

Acção da cana

A acção da cana é o termo utilizado para descrever a flexibilidade ou rigidez de uma cana de pesca.

Extra Fast – este tipo de cana (extra rápida) dobra muito pouco, e penas na ponta da cana. É a cana ideal para pescar em coberturas densas, onde o sucesso depende de conseguirmos desviar o peixe dos obstáculos com. Quanto mais rápida a acção da cana, maior pressão conseguimos exercer sobre o comportamento do peixe.

Fast – uma cana de acção rápida dobra-se cerca de 25% a 30% desde a ponta. Proporcionam tanto poder para aplicarmos força como flexibilidade, essencial quando se pretende lançar spinnerbaits, vinis tipo senko, jerkbaits e amostras de superfície.

Moderada – estas canas dobram-se quase até ao meio. Uma cana de acção moderada permite lançar de forma mais fácil que uma cana de acção rápida ou extra-rápida, devido à sua flexibilidade. Ideal para linhas finas e técnicas de finesse.

Potência

A potência descreve a força geral da cana. As classificações de potência vão desde ultra light (ultra fraca) até extra heavy (extra forte), mas no caso de canas para pesca ao achigã,  canas com as classificações de potência medium, medium/heavy, heavy e extra heavy cobrem praticamente todos os cenários e amostras que sejam necessárias utilizar. Quanto mais elevada a potência, maiores e mais pesadas serão as amostras que conseguiremos lançar. Canas com com potências mais baixas são melhores para lançar amostras pequenas, mas poderão não ter o que é preciso para “lidar” com um grande peixe.

Passadores

Os passadores são uma parte integrante do design de uma cana de pesca. Passadores de qualidade asseguram-nos lançamentos mais longos e menor fricção aplicada na linha.
Os melhores passadores são os de cerâmica ou de titanium. Alguns dos mais conhecidos do mercado são Fuji’s Hardloy, Silicon Carbide e REC Nickel Titanium Recoil.

Sugestão de canas de acordo com a técnica

Conseguir adequar uma cana de pesca à técnica que se pretende utilizar facilitará o processo de lançamento das amostras, bem como tornar mais eficiente a luta com o peixe. Escrevo esta secção de acordo com pesquisas que efectuei pela internet.

Flipping and Pitching
Comprimento: 2,30 m
Acção: Fast
Potência: Heavy
Estilo: Casting

Buzzbaits e Spinnerbaits
Comprimento: 2,10 m
Acção: Fast
Potência: Medium/Heavy
Estilo: Casting

Amostras de superfície
Comprimento: 2 m
Acção: Moderate
Potência: Medium
Estilo: Casting ou Spinning

Sapos e rãs
Comprimento: 2,10 a 2,30 m
Acção: Fast
Potência: Heavy
Estilo: Casting

Carnkbaits
Comprimento: 2,10 m
Acção: Fast
Potência: Medium ou Medium/Heavy
Estilo: Casting

Drop Shot / Shaky Head
Comprimento: 1,90 m
Acção: Fast
Potência: Medium Light a Medium
Estilo: Spinning

Dock Skipping
Comprimento: 1,8 m
Acção: Fast
Potência: Medium Heavy
Estilo: Spinning

Estas especificações que aqui deixo são as que encontrei como sendo as mais indicadas, no entanto, cada um poderá ter uma ideia de que cana funciona melhor em que momento, pelo que não disponibilizo estas medidas/especificações como sendo uma regra infalível.

Entretanto, foi publicado aqui no site uma série de 3 artigos sobre Como escolher uma cana.

Alberto Nunes

Alberto Nunes é um profissional de Informática viciado em pesca ao achigã. Criou o basspt.com para partilhar as suas ideias e experiências de pesca ao achigã, e para colmatar a falta de informação em Portugal sobre esta temática.

More Posts - Website - Pinterest - Google Plus