Apesar de estar de decorrer o período de defeso, existem algumas excepções no nosso país onde continua a ser possível pescar ao achigã. Por isso, e por existirem muitos pescadores que têm oportunidade de se deslocar a Espanha, onde não existe defeso, continuamos a publicar esta série sobre as melhores amostras do mês.

Saber quais as amostras indicadas para a época do ano em que nos encontramos, embora não seja garantia de sucesso, é sem dúvida uma grande ajuda para qualquer pescador de achigã, que dessa forma pode concentrar a sua atenção num menor número de amostras, evitando distracções com amostras “menos indicadas”.

Esta informação torna-se ainda mais relevante no caso da pesca de margem e/ou pato, pois nessas condições quanto menos peso tivermos que carregar melhor. Desta forma, ao sabermos quais as amostras mais indicadas em determinado momento, podemos organizar o estojo com base nessas amostras, não sendo necessário carregar com outras que eventualmente não terão tão bons resultados.

Durante este ano estou a efectuar um artigo no inicio de cada mês, onde indicarei quais as amostras mais indicadas para esse mês. Com o intuito de tornar esta informação o mais relevante possível, e o mais credível possível, as amostras que indicar, serão as amostras que nos últimos 4 anos (2010 a 2013), foram indicadas pelos Pros norte americanos, na revista BASSMASTER, como sendo as amostras que eles utilizam. Desta forma, poderemos ver quais as amostras que TODOS utilizam, e as amostras que apenas alguns utilizam.

Ao contrário do que acontece nos artigos dessa revista, não irei indicar especificamente a marca ou modelo da amostra, mas indicarei apenas o seu tipo, pois não é minha intenção dar mais relevância a umas marcas em detrimento de outras.

Aqui fica o quarto artigo das melhores amostras do mês. Com os achigãs em diferentes estados do processo reprodutivo, começam a notar-se algumas diferenças nos tipos das amostras.

Melhores amostras para o mês de Abril

ANO Pescador Amostra 1 Amostra 2 Amostra 3 Amostra 4
2010 Peter Thliveros Jig com atrelado Lipless Crankbait Jerkbait Jerkbait de vinil
2011 Matt Herren Jig com atrelado Vinil tipo criatura Spinnerbait Crankbait pala quadrada (shallow)
2012 Shawn Grigsby Crankbait pala quadrada (shallow) Vinil tipo criatura Lagostim de vinil à Texas ou atrelado num swimjig Popper
2013 Charlie Hartley Jig com atrelado Spinnerbait Vinil tipo Senko Buzzbait

Os jigs com atrelado voltam a “dominar” o quadro de escolhas, com três pescadores a optarem por estas amostras como a sua primeira escolha, e no caso em que não aparece como primeira escolha, aparece como na variante swimjig para os vinis tipo lagostim.

Os crankbaits são escolha de três dos pescadores, sendo que dois deles preferem as versões de pala quadrada e um a versão lipeless.

Crankbaits de pala quadrada, ou "shallow runners"

Crankbaits de pala quadrada, ou “shallow runners”

Tanto os jigs como os crankbaits tentam explorar os achigãs que se encontrem na pré-desova e desova. Nestas alturas os achigãs tendem a “encostar” a zonas mais baixas, e a comer activamente no caso de estarem em pré-desova ou a encontrarem-se agressivos, caso já se encontrem na desova, e têm uma postura de guardar os ninhos.

A seguir, aparecem os spinnerbaits e os vinis tipo criatura, sendo cada uma dessas amostras a escolha de dois pescadores.

Tal como acontecia no mês passado, começam a surgir também outros tipos de amostras, para peixes mais activos, como é o caso do buzzbait e do popper.

No caso do Peter Thliveros, os jerkbaits continuam a ser a escolha nº3 e nº4.

Conclusão

Com os achigãs a rumarem para os locais de desova, e a aumentarem a sua actividade, o quadro continua a sofrer modificações nos tipos de amostras escolhidas.

Em Abril conseguem-se definir dois tipos de amostras como os mais utilizados. São eles os jigs e os cranks.

No entanto, em alguns casos o tipo ou forma de utilizar a mesma amostra não é consensual – temos diferentes cranks, e diferentes jigs.

Achigã capturado com uma pequena criatura de vinil, com montagem split shot

Achigã capturado com uma pequena criatura de vinil, com montagem split shot

Volto a lembrar que estamos no defeso. Mesmo que não concordemos com ele, temos que respeitar a lei, mas diria mais – acima de tudo, temos que respeitar os achigãs! Assim, se tiverem oportunidade de continuar a pescar durante este período, lembrem-se de libertar TODOS os exemplares, tendo todos os cuidados necessários ao manuseá-los.

Alberto Nunes

Alberto Nunes é um profissional de Informática viciado em pesca ao achigã. Criou o basspt.com para partilhar as suas ideias e experiências de pesca ao achigã, e para colmatar a falta de informação em Portugal sobre esta temática.

More Posts - Website - Pinterest - Google Plus