Por muito bons que possamos ser a pescar, porque sabemos esta e aquela técnica, ou porque a nossa cana xpto é a melhor e o anzol e fio super resistentes, podem perder um bom achigã pelo simples facto do nó que fizeram no anzol. É verdade, o nó que usamos é 99% das vezes decisivo numa captura com sucesso ou completamente fracassada. Muitos de vocês podem achar que um nó cego em cima de outro nó cego é suficiente, mas não é bem assim. Existem inúmeros nós que podem fazer nos vossos anzóis, mas vou-vos mostrar os 4 nós de pesca que, a meu ver, são os melhores, fáceis de fazer e bem resistentes.

 

Nó Palomar

Este é provavelmente o nó de pesca mais usado nos anzóis, devido à sua enorme facilidade de efectuar sendo também de grande resistência. O nó palomar, além de apresentar resistência extra, devido à laçada de união no anzol que é dupla, ainda tem óptimas características de não enfraquecer a linha e de nunca se desfazer, se for bem apertado. Vejam como se faz:

Nó Palomar

Nó Palomar

  1. Passem cerca de 8 cm de linha através do olhal do anzol. Deixem um laço na extremidade que permita passar a linha pelo anzol.
  2. Façam um nó sem apertar, evite que as linhas se cruzem. Deixem um laço que posteriormente passará pelo anzol.
  3. Puxem a laçada de fio através do anzol, certifiquem-se que fica linha suficiente para passar através do anzol.
  4. Puxem ambas as extremidades da linha até que fique apertado no anzol. Removam a linha em excesso.

No próximo vídeo, Hermínio Rodrigues mostra como se faz:

 

Nó Rapala

Se usam amostras rijas, então este é o nó certo para um melhor desempenho da vossa amostra. O nó rapala não fica apertado junto da argola da amostra, deixando uma pequena laçada, o que permite que a amostra tenha um desempenho e movimentos que parecem mais naturais, digamos que fica mais livre, e não algo que se vai a arrastar pela água. Isto deve-se à laçada que é feita com este nó. Vejamos como se faz:

Nó Rapala

Nó Rapala

  1. Façam um nó normal deixando uma pequena argola e passem o fio pela argola da amostra.
  2. Passem a ponta do fio que acabaram de passar na amostra pela pequena argola do nó.
  3. Dêem 3 voltas com a ponta sobre o fio.
  4. Passem a ponta do fio novamente pela pequena argola do nó.
  5. Passem a ponta do fio pela argola que acabaram de formar no passo 4.
  6. Puxem as extremidades do fio até que o nó fique bem apertado. Podem humedecer com saliva para que o nó aperte mais facilmente. Removam a linha em excesso.

 

Nó Trilene

Trata-se também de um bom nó para anzóis. Tem a capacidade de conservar quase na totalidade a resistência da linha passando duas vezes pela argola do anzol. É um nó extremamente simples de fazer, mas também muito fiável. Vejam como fazer o nó trilene:

Nó Trilene

Nó Trilene

  1. Passem o final da linha duas vezes pela argola do anzol deixando um pequeno laço.
  2. Façam 5 voltas sobre a linha, passem o final da linha pelo laço interior.
  3. Puxem a linha com um movimento firme e cortem o excesso de linha.

 

Nó 6 Voltas San Diego

Este é um nó que não é muito conhecido, mas que oferece uma enorme resistência da linha, podendo mesmo ser superior aos outros nós. Para que fiquem com uma ideia da resistência do nó 6 voltas San Diego, foi criado por pescadores de atum de alto mar, que é um peixe bem mais poderoso que o achigã. Com um pouco de prática vão conseguir fazer este nó rápido e sem problemas. Para que este tenha a máxima resistência certifiquem-se de que fica extremamente bem apertado, o sucesso depende disto mesmo. Vejam como fazer:

Nó 6 Voltas San Diego

Nó 6 Voltas San Diego

  1. Passem o fio pela argola do anzol.
  2. Passem uma volta sobre o fio, segurando a argola que se forma nessa primeira volta (argola à direita).
  3. Passem 6 voltas (contando com a anterior) sobre o fio passando depois a ponta do fio pelo laço junto à argola do anzol.
  4. Passem a ponta do fio pela argola da direita que seguraram.
  5. Puxem com firmeza o fio para apertar o nó. Humedeçam o fio para que o nó aperte mais facilmente. Certifiquem-se de que fica bem apertado. Cortem o excesso do fio.

 

Estes são os nós de pesca que costumo utilizar na pesca ao achigã, e os que para mim são os melhores. Devo dizer que até hoje ainda não houve nenhum nó que se tivesse desfeito, no entanto já me aconteceu perder capturas por estar demasiado tempo com o mesmo nó a pescar.

O achigã é um peixe lutador que quando fisgado tende a procurar refúgio entre troncos, raízes, ervas, etc., o que faz com que o fio um pouco mais acima fique sujeito a alguma abrasão devido a raspar nos obstáculos que vai apanhando. Como resultado o fio vai perdendo a sua resistência (mas não o nó) podendo provocar a rotura do fio. Por isso um conselho que dou é reempatarem (efectuar novos nós) com alguma regularidade e sempre que notarem irregularidades no fio ao toque, normalmente no primeiro metro de linha, pois desta forma garantem da melhor forma a resistência da linha.

E vocês, que nós de pesca usam nas vossas pescarias aos achigãs?

Já conheciam todos estes nós?

Tiago Ramalho

Tiago Ramalho é um profissional de Informática interessado em Internet, Programação .NET e PHP e blogging. Nos tempos livres escreve nos basspt.com sobre Jardim, Saúde, Sistemas, utilitários e outros temas relacionados com informática.

More Posts - Website - Twitter - Pinterest - Google Plus