Lagostins Vilecraw da Biospawn - disponíveis através da www.onefishplus.com

No passado domingo foi dia da última incursão antes do defeso

Munido com a informação sobre as melhores amostras para achigã em Março, lá fui com o amigo Normando e o Tiago até ao açude.

O dia estava “farrusco”, não tinha nada a ver com os anteriores, em que o sol tinha dado a sua graça durante todo o dia. Chegou mesmo a chover umas pingas…

Como tinham estado uns dias mais quentes na semana anterior, e como em conversa com o David Amado, me tinha dito que no outro fim de semana antes tinham apanhado uns bons achigãs, e que estavam já todos encostados na margem, resolvi arriscar e começar a manhã com uma passeante, incentivado pelo Normando, que tem esperanças de um dia vir a apanhar um grande exemplar à superfície durante a época mais fria do ano. Não será impossível… e eu resolvi experimentar a minha sorte.

Alguns lançamentos depois, lá voltei para a “minha pesca”: Dinger (senko) da YUM de 4″, empatado à Texas sem peso. Comecei a “bater a margem” num local que me parecia a mim ideal para a desova…

Mais uns quantos lançamentos e nada… “Se não estavam ali, é porque ainda não tinham encostado”, pensei eu…

Resolvi refinar mais a técnica… Split shot, com uma pequena “criatura” também da YUM – Gonzo Grub.

Gonzo Grub - YUM

Gonzo Grub, da YUM.

Estas foram as amostras de vinil com que aprendi a pescar, e provavelmente as amostras com as quais apanhei mais achigãs até hoje! São a minha escolha Nº 1 quando as picadas estão difíceis.

Em poucos lançamentos tive a primeira picada e com ela o primeiro achigã. Era um “bébé” 🙂

Mais uns lançamentos e eis que surge o fruto da “afinação” da técnica – o melhor exemplar do dia:

Bom achigã com Split Shot

Bom achigã com Split Shot

Infelizmente o amigo Normando não conseguiu ficar para a tarde… Perdeu uma bela feijoada!! 😀

Da parte da tarde, era apenas eu e o Tiago… Tendo ainda presente os bons resultados alcançados no ano passado depois de almoço, após o café seguido da bela ginja, lá fomos confiantes, para mais uma jornada, mas desta vez não tivemos sorte.

Tanto quanto conseguimos perceber, o achigã que capturei da parte da manhã estaria cheio de ovas… Isto é uma das coisas que me leva a questionar a protecção que temos em Portugal para esta e outras espécies. Valerá realmente a pena este defeso? Este peixe deverá desovar dentro de poucos dias… Dentre de duas ou três semanas já estará de regresso aos locais de recuperação do pós-desova… Este é um tema polémico, e que o Hermínio Rodrigues abordou extensivamente no seu último artigo.

Seja como for, e ainda mais nesta altura, é essencial que o gesto de libertação de TODOS os peixes seja tido em consideração por todos os pescadores, como forma de protecção dos recursos dos quais nós próprios usufruímos.


Alberto Nunes

Alberto Nunes é um profissional de Informática viciado em pesca ao achigã. Criou o basspt.com para partilhar as suas ideias e experiências de pesca ao achigã, e para colmatar a falta de informação em Portugal sobre esta temática.

More Posts - Website - Pinterest - Google Plus