Lagostins Vilecraw da Biospawn - disponíveis através da www.onefishplus.com

Já aqui havia falado sobre empates de amostras de vinil, mas nunca falei deste empate que, na minha experiência, tem tanto de simples como de eficaz – o split-shot!
Apesar de parecer uma coisa bastante avançada ou mesmo complexa pelo nome, depois de vos explicar (para os que não estão familiarizados com o termo) do que se trata, quase que aposto que vão fazer uma cara de espanto e dizer “há, é só isso?” 🙂

Apesar de normalmente, sempre que falamos em empate Texas, a esmagadora maioria das pessoas depreender que estamos a falar do empate Texas com uma montagem de um peso tipo bala, e de ser a meu ver esse o standard para o empate Texas, a montagem split-shot não deixa de ser eficaz, e fácil de exectuar.

O que é uma montagem split-shot?

Pesos split-shot

Pesos split-shot

Tal como a montagem Carolina, o split-shot separa o peso da amostra de vinil, pois o peso é colocado vários centímetros acima da amostra. Apesar de muito acharem que se trata de uma montagem para um tipo de pesca “mais fino”, a verdade é que eu utilizo esta técnica com regularidade, sempre que as situações assim o exigem, e tenho obtido bons resultados mesmo com os equipamentos “mais pesados” que utilizo normalmente.

Anzol com peso split-shot aplicado na linha

Anzol com peso split-shot aplicado na linha

A forma como se monta é relativamente simples, atamos o anzol na ponta do fio com um dos nós que preferimos, aplicamos o peso 30cm a 40cm acima do anzol (basta apertar o peso até que este se “prenda” ao fio) e empatamos a amostra de vinil no anzol. Já está! Feito isto, é lançar e começar a recuperar linha, animando a amostra da melhor forma e acordo com as condições encontradas.

Vinil numa montagem split-shot

Vinil numa montagem split-shot

A ter em conta numa montagem split-shot

Esta montagem é a minha preferida em situações em que começo por pescar sem peso, e depois vejo que necessito de adicionar peso.
É ainda de ter em atenção que, com pesos maiores, a utilização da montagem spli-shot tende a tornar-se algo chata em locais com muita vegetação, pois os pesos esféricos tendem a provocar prisões e a trazer vegetação agarrada. Pelo mesmo motivo, não será aconselhada para pescar no fundo.
Pessoalmente, prefiro utilizar esta montagem com vinis que imitem pequenas criaturas ou pequenos peixes, pois o afastamento do peso da amostra produz uma animação “diferente” da amostra, tornando-a bastante apelativa para o achigã.

Amostras que costumo utilizar em split-shot

Amostras que costumo utilizar em split-shot

Outro aspecto que me parece importante salientar é o facto de ser importante a utilização de anzóis finos, que se cravem com facilidade, pois as picadas com uma montagem split-shot podem sentir-se com algum atraso, visto que o peso está afastado da amostra, e situando-se no peso grande parte da sensibilidade que vamos ter, pois a amostra irá vir “meio solta”. Assim, é importante que os anzóis permitam uma cravagem fácil.

Split-shot – flexibilidade e criatividade

Uma das principais vantagens de uma montagem split-shot é a sua flexibilidade. É possível num momento estarmos a pescar com vinil empatado sem peso, e poucos segundos depois estarmos a pescar com o mesmo empate com um peso split-shot, sem termos que estar a cortar o fio e montar tudo de novo. Retirar o peso é também tão simples e rápido quanto colocá-lo, bastando um canivete para abrir a ranhura do peso para que este se volte a soltar facilmente da linha.
Depois, além da flexibilidade, permite-nos ser criativos e, por exemplo, em qualquer momento, encostar o peso à amostra e ficarmos a utilizar um “cabeçote split-shot”, bastante útil para nadar grubs, por exemplo.

"Cabeçote split-shot"

“Cabeçote split-shot”

"Cabeçote split-shot" com vinil empatado

“Cabeçote split-shot” com vinil empatado

Na imagem anterior, deixei o peso propositadamente mal fechado, para se perceber que não se trata de um cabeçote normal.

Split-shot – conclusão

Sendo a meu ver a mais simples montagem de peso existente na pesca ao achigã, não deixa de ser eficaz.
É provavelmente a montagem que todos começamos por utilizar quando começamos a pescar ao achigã, mas com o passar do tempo e evolução das técnicas utilizadas, temos tendência em esquecer esta montagem simples e eficaz.

Esta é uma montagem a que continuo a recorrer com regularidade, e vocês? Já utilizaram ou ainda utilizam a montagem split-shot?? Deixem as vossas experiências nos comentários no final da página 😉

Alberto Nunes

Alberto Nunes é um profissional de Informática viciado em pesca ao achigã. Criou o basspt.com para partilhar as suas ideias e experiências de pesca ao achigã, e para colmatar a falta de informação em Portugal sobre esta temática.

More Posts - Website - Pinterest - Google Plus